sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Movimento G12 e 'Encontro Face a Face'

Esta postagem é simplesmente para encaminhar a posição oficial da "Convenção Batista Brasileira" sobre o G12 e o seu subproduto mais conhecido, o encontro. Não aceito as críticas correntes feitas por idealizadores locais do encontro, no sentido de que "quem critica não é espiritual, é problemático" .


Eu entendo a busca empreendida pelas denominações históricas na tentativa de acordar o seu rebanho para um renovo espiritual, e isso é salutar, pois, essas denominações, inclusive a batista, estavam meio mortas, ou, adormecidas no seu tradicionalismo. O que é perigoso, por demais, é aceitar fórmulas prontas, anti-bíblicas, heréticas, visando apenas o crescimento da igreja. Todos os avivamentos contrários à sã doutrina, desde o século XVIII, e principalmente os do século XX nos Estados Unidos, não se mantiveram, tampouco trouxeram frutos permanentes para o reino.


Eu fiz o "Encontro Face a Face" e sei reconhecer as suas qualidades e os seus terríveis defeitos. A qualidade é aquela que citei em epígrafe: sacudir o crente e torná-lo mais consciente da sua condição, aproximando-o de Deus através da oração. Os defeitos são vários, valendo citar o ritual horroroso e ridículo de "quebra de maldições hereditárias" (mais de duas horas renunciando a absurdos); igual lapso temporal dedicado a um processo claro de lavagem cerebral, onde um grupo de pastores e leigos "ministram" os participantes através de gritos, uivos e rosnados, para cuja finalidade não se sabe qual, uma vez que se tratam de pessoas convertidas, não possessas e afeitas ao evangelho. E, por último, a intragável confissão, sacramento trazido diretamente do catolicismo romano. Tudo isso, contrário à sã doutrina bíblica.


Não consigo atinar como batistas (sérios) possam aceitar tais rituais em suas "Igrejas", recebendo o pacote pronto diretamente do "Movimento herético G12". Essa atitude, sem meios termos, é completamente irresponsável. Repito: concordo que o encontro traz frutos, mas deve ser "adequado á doutrina bíblica e à visão Batista" (séria), que é incontrastavelmente firmada na Palavra de Deus. Eu nunca havia lido a posição oficial da "Convenção Batista Brasileira", mas é incrivelmente semelhante ao que sempre pensei.


É triste observar que os afeitos ao referido encontro sem modificações (pacote fechado), costumam tachar de reacionários àqueles que se colocam firmemente segundo a visão da própria denominação batista a nível nacional.


É hora de os líderes da nossa Associação, os pastores (comprometidos) da nossa região acordarem para essa questão, pois esse movimento herético nascido do G12 não permanecerá, como não permaneceu no resto do Brasil em tempos passados, tendo, inclusive, dividido inúmeras igrejas. Façam o "Encontro Face a Face", mas com responsabilidade, corrigindo erros e suprimindo as heresias.

Eis a visão da "Convenção Batista Brasileira":


PRONUNCIAMENTO PREÂMBULO

A Diretoria da Convenção Batista Brasileira, a Ordem dos Pastores Batistas do Brasil e os Secretários Executivos das Convenções Batistas dos Estados da Federação, vêm participando dos debates e acompanhando com interesse as experiências com relação ao chamado Movimento G12, ou Igrejas em Células, ou Modelo dos Doze. E neste momento da vida denominacional entendem necessário fazer o pronunciamento a seguir, visando à saúde doutrinária e à unidade das igrejas, à sustentação dos princípios bíblicos e teológicos que informam nossas doutrinas e práticas, à eficácia de nosso testemunho nesta virada de século e milênio e, sobretudo, à glória de Deus.

NOSSAS CONVICÇÕES
Como preliminar à nossa avaliação e posição sobre o G12, é mister recordar e afirmar algumas de nossas convicções: 1. Cremos nas Escrituras Sagradas, e canônicas, compostas de Antigo e Novo Testamento, como registro fiel da revelação de Deus, e como única regra de fé e conduta, para o crente e para a igreja de Jesus Cristo, no mundo. 2. Cremos que a Bíblia deve ser interpretada por firmes princípios hermenêuticos, dos quais ressaltamos o de que a Bíblia deve ser interpretada pela Bíblia, o texto, pelo contexto, mas sempre à luz da Pessoa e dos Ensinos de Jesus Cristo. 3. Cremos no Deus trino, Pai, Filho e Espírito Santo, cujas obras contemplamos na Criação e na História e que se revela de maneira gradual e progressiva, nas Escrituras e, plenamente, na Pessoa de Jesus Cristo, Verbo encarnado. 4. Cremos na Igreja como entidade temporal e atemporal, fundada por Jesus Cristo e que tem por missão a redenção dos homens e o fazer discípulos em todas as nações, a formar uma nova criação, a humanidade deuteroadâmica. 5. Cremos na suficiência de Jesus Cristo como Senhor e Salvador, e na eterna salvação dos que nele crêem. Cremos que no ato de sua fé em Cristo, o novo crente recebe o Espírito Santo como penhor da herança eterna, iniciando-se, então, o processo da santificação cujo alvo é tornar o crente semelhante a Cristo. 6. Cremos, como cristãos, evangélicos e batistas, que a revelação chegou à plenitude em Jesus Cristo e que toda alegação de novas revelações e novas verdades, por sonhos, visões e outros meios, deve ser cotejada com as Escrituras, corretamente interpretadas. 7. Cremos que a igreja do Novo Testamento, especialmente a de que dá conta o livro de Atos, constitui modelo para as igrejas de nossos dias, já no compromisso com a proclamação, a adoração, a comunhão, a edificação e o serviço; já em seu funcionamento pendular, no templo e nas casas, a promover o reino de Deus. 8. Cremos serem permanentes e de valor universal e transcultural (a valer, portanto, em todas as culturas), os princípios bíblicos de organização, vida, ministério, proclamação e serviço da igreja, porém os métodos e modelos de sua atuação podem e devem variar, de acordo com a sociedade e a cultura em que a igreja se insere e desenvolve a sua missão. 9. Cremos, como biblicamente fundados, os princípios do sacerdócio universal dos crentes, de livre exame da Bíblia e, portanto, de livre acesso a Deus, por meio de Jesus Cristo. Por isso rejeitamos o sacerdotalismo, o sacramentalismo e o ritualismo, qualquer tipo de hierarquia na esfera espiritual e eclesiástica, e a pretensão humana de interpor-se entre o crente e Deus. 10. Cremos, outrossim, no princípio de autonomia da igreja local e de seu governo congregacional, sob a liderança de Jesus Cristo, seu único Cabeça. 11. Cremos, à luz de Efésios 4.11, que o Senhor provê pastores/mestres para Suas igrejas, a eles incumbindo pregar e ensinar a Palavra, sem mescla de erro, sem distorções, com fidelidade, dedicação, simplicidade e clareza (2Tm 4.2-4).

NOSSA PERCEPÇÃO SOBRE O MOVIMENTO G12
Percebemos, pela leitura dos escritos do originador do Movimento e de seus discípulos em nosso país, algumas características ou elementos que o fazem contrastar e chocar-se com a posição batista que acabamos de descrever no formular de nossas convicções. Vejamos algumas: • Perfil neopentecostal e neocarismático, com ênfase na experiência pessoal e mística, em detrimento da Palavra escrita. • Misticismo em todas as áreas da vida e do funcionamento do programa. • "Marketing religioso" que até entendeu de eliminar da igreja nascente o próprio nome evangélico ou cristão. • Visão empresarial da igreja. • Forma episcopal de governo da igreja, e de pirâmide hierárquica e centralizadora de poder. • A pretensão de terem a última palavra da revelação de Deus para a igreja do século 21. • Desprezo aos valores estéticos e à riqueza teológica da hinódia cristã, formada ao longo dos séculos. • Sacralização do número 12, como se fora paradigma para o novo modelo de grupos. • Pretensão de santificação instantânea, obtenção e liberação do poder como resultado do Encontro proposto como condição fundamental para a habilitação dos discipuladores. • Crescimento numérico, como único critério de legitimidade bíblica e evangelicidade, em detrimento da clareza e de formulação de sólidas bases teológicas. • Ênfase na salvação temporal. • Evangelismo de resultados e não de compromisso com a verdade, em que conta pragmaticamente o número. • Construção do movimento sobre uma experiência pessoal de visão de um líder. • Ênfase demasiada nos métodos, na estrutura programática que há de ser seguida à risca, quando sabemos que Deus não unge métodos, mas pessoas. • Participação (no Encontro) como fonte única de autoridade crítica. • Emoção humana, como evidência incontestável da presença do Espírito Santo. • Evidências de manipulação psicológica e espiritual, especialmente, no Encontro, que é parte essencial do Movimento G12, não restando aos dele participantes as condições e o tempo necessários à reflexão crítica, à atitude bereana.
NOSSA POSIÇÃO SOBRE O MOVIMENTO G12

À luz das convicções que explicitamos, do exame criterioso e objetivo de testemunhos, relatórios, pronunciamentos e documentos de líderes evangélicos em geral e batistas, em particular, e das características que acabamos de assinalar, chegamos à seguinte posição: 1. Não julgamos o espírito ou as intenções dos fundadores e pais do Movimento, mas nos atemos aos fatos e escritos a que tivemos acesso. 2. Reconhecemos que ao longo dos séculos, e especialmente no nosso, têm surgido propostas, modelos e métodos de "fazer igreja" e de evangelizar ou "fazer missões", alguns com a pretensão de serem a "última revelação" a "última palavra", "o método perfeito", mas todos têm sido marcados pela temporalidade e impermanência. Afinal de contas, os métodos variam, e não são eles que contam, mas a pessoa humana. Diz, com propriedade, um autor estrangeiro, que "o homem é o método de Deus". 3. O G5, o G12, as "koinonias", os "grupos de ECO", os NEBS (núcleos de estudo bíblico nos lares) constituem todos modelos humanos, e têm o propósito (ou devem ter), de promover a eficaz atuação da igreja no mundo. Mas nenhum deles pode arrogar-se o "status" de revelação final ou método perfeito; todos esses modelos são marcados pela falibilidade humana. Quanto ao número 12, por exemplo, não há registro bíblico de que cada apóstolo tenha preparado doze discípulos, e estimulado estes a discipular mais doze. Nem há registro de as igrejas dos primeiros séculos da história cristã haverem criado grupos de 12, ou de qualquer outro número fixo e definitivo. Reuniam-se nos lares, sim. Mas sem definição de um número fixo de pessoas, ou pretensão de outra homogeneidade que não a da fé, do grupo eclesial que se reunia. 4. É verdade que nossas igrejas, para cumprirem efetivamente o mandato recebido do Senhor, de "fazer discípulos de todas as nações", precisam de extroverter-se, conforme a igreja de Jerusalém. Lá os crentes reuniam-se "no templo e de casa em casa". É mister adotar estruturas leves e simples, mediante pequenos grupos nos lares. Isso, entretanto, sem perder de vista a unidade e a integridade da igreja. Para tanto os grupos nos lares, ou células familiares, seja qual for o nome adotado, a) devem ser dirigidos por pessoas com capacidade espiritual, moral e intelectual; b) os líderes devem ser bem preparados pelos pastores; c) os líderes devem ser orientados a conduzir estudos sobre os mesmos temas, a comunicar as mesmas doutrinas, a conduzir o povo de Deus à firmeza na fé, à comunhão, à santidade e ao serviço; d) os líderes dos grupos ou das células devem formar discípulos maduros não vindo a torná-los, à moda de gurus, dependentes e inaptos a buscar por si próprios a direção de Deus em Sua Palavra. 5. Rejeitamos o Movimento G12 quanto ao modelo e conteúdo dos Encontros alvitrados em sua filosofia (Pré-Encontro, Encontro e Pós-Encontro), pois seus métodos e procedimentos vêm ao arrepio dos princípios e ensinos das Santas Escrituras. Com efeito, ensinos e práticas por ele adotados opõem-se claramente à Palavra de Deus. Destacamos, a propósito: a) A ênfase na maldição hereditária, com esquecimento do teor geral da Bíblia, sobre o assunto; b) a prática da chamada confissão positiva; c) práticas de regressão psicológica; d) ensino e a prática da chamada "nova unção"; e) prática do sopro espiritual; f) ensino do batismo do Espírito Santo como "segunda bênção", tendo línguas como evidência; g) prática do segredo; h) unção com óleo; i) urros e palavras de ordem nos cultos. 6. Exprobramos o orgulho espiritual, a forma não cristã de desprezar os que não aceitam a "visão" - como a denominam - ou outros métodos ou modelos de "fazer igreja", fatos que temos comprovado em relatos do movimento e mensagens de alguns de seus dignitários.
NOSSA EXORTAÇÃO E RECOMENDAÇÃO AOS PASTORES E ÀS IGREJAS

No espírito de Jesus Cristo, e buscando a edificação, crescimento e a firmeza das igrejas e seus obreiros, 1. Exortamos pastores e igrejas a cumprirem o que ordena Paulo aos tessalonicenses e a nós também: "Examinai tudo; retende o bem". Mas que nunca venham a adotar com açodamento ou a pregar como definitivo e de valor absoluto, qualquer método, modelo ou programa de igreja que eventualmente tenham produzido frutos noutras culturas e noutros lugares. Por outro lado, cada método ou modelo deve ser examinado criticamente em seus fundamentos bíblicos, e antes de seus princípios serem experimentados ou aplicados, é mister haver conhecimento da realidade da igreja e da comunidade em que ela se insere. 2. Alertamos que nenhum método ou modelo tem legitimidade, para uma igreja verdadeiramente evangélica e batista, se conflitar, em suas bases ou práticas, com as Escrituras em que cremos e a teologia e eclesiologia que adotamos. 3. Proclamamos a necessidade de um avivamento, do quebrantamento do povo de Deus, de abandono do pecado, de compromisso com Jesus Cristo. Por isso, conclamamos o púlpito de nossas igrejas a confrontar o pecado, a pregar o arrependimento, a convocar o povo de Deus ao compromisso com a pureza, a santidade, a integridade e a fidelidade a Cristo em todas as áreas da vida pessoal, familiar e profissional.. 4. Recomendamos que nenhum modelo ou método seja adotado na igreja por imposição do pastor, e nem seja implementado e forçado um modelo que venha a produzir divisão, amargura e prejuízo à paz no Corpo de Cristo. Se é de Deus, a visão não será só do Pastor, mas há de ser comunicada à igreja como comunidade do povo de Deus. 5. Finalmente, concitamos o povo de Deus a receber, examinar e praticar boas opções que existem para o crescimento das igrejas; a incorporar em seu programa práticas que se conformem com a doutrina, os princípios bíblicos e de nossa fé, que não prejudiquem nossa identidade batista, e se coadunem com a decência e a ordem que devem caracterizar o culto e a vida da igreja (1Co 10.31; 14.40).
Rio de Janeiro, 23 de outubro de 2000
DIRETORIA DA CONVENÇÃO BATISTA BRASILEIRA
Presidente: Fausto Aguiar de Vasconcelos
1º vice-presidente: Norton Rikes Lages
2º vice-presidente: Miquéas da Paz Barreto
3ª vice-presidente: Ábia Saldanha Figueiredo
1º secretário: Júlio de Oliveira Sanches
2ª secretária : Mércia Neto Madeira e Silva
3ª secretária: Lia dos Santos
4º secretário: René Diné Lota
DIRETORIA DA ORDEM DOS PASTORES BATISTAS DO BRASIL
Presidente: Aloísio Penido Bertho
1º vice-presidente: Edgar Barreto Antunes
2º vice-presidente: Sebastião Ferreira
3º vice-presidente: Gerson Luiz de Britto
1º secretário: Linaldo S. Guerra
2º secretário: Arlenio Alves Machado
3ª secretária: Silvio Franco


11 comentários:

Moyses Alexandre de Godoi disse...

Shalom Adonai...

Então mano tem que dar frutos e os frutos permanecerem para a vida eterna, caso contrário é prejuízo na certa, agradeço a visita no meu blog e volte sempre que quiser, já estou a te seguir...
Paz a todos...

atelguima@hotmail.com disse...

Creio que a obra de Cristo na Cruz foi suficiente e não precisa de complementações humanas. Em Cristo não há mais maldições e condenações (Rm 8.1; Gl 3.13).

Jesus, VEIO PARA NOS DAR SALVAÇÃO.
O MAIOR MILAGRE: SALVAÇÃO DA ALMA.
VIVAMOS ISSO A CADA DIA. AMÉM.

SEJAMOS FELIZEZ OM JESUS NO CONTROLE. ALEUIA!!!!

Patrícia disse...

Fui a um desses encontros e achei um absurdo! Senti q anulavam o sacrificio de Cristo na Cruz por nós! O sangue precioso do nosso Senhor nos basta.

Aclim disse...

Jesus foi tão claro, foi sucinto. O homem complica se perde e culpa Deus.

Abraço

FRANCISCO ARAUJO disse...

Fui mórmon, Deus me converteu em 1993.Eu quando surgiu esse movimento G12 vi ali todas as técnicas e artimanhas de lavagem cerebral que eu acreditava no mormonismo. Mas vacinado desse laço do diabo, creio na inerrância da palavra de Deus, creio na salvação que recebi, creio na unção do Espírito Santo ao qual sou portador,creio no perdão dos meus pecados por mim reconhecidos e confessados somente à Deus único remidor e sem intermediários.Além do mais a própria história das seitas mostra este perfil exclusivista e única fonte de revelação em detrimento da palavra.A minha salvação não está atrelada a nenhum movimento a não ser o sangue de Cristo no calvário.

Missionária disse...

Paz, tbm estive num desses "encontros" e só serviu pra abrir meus olhos para tanta heresia, como já disseram, eles anulam o sacrificio de Jesus....estive "face a face" e resisti. Glória a Deus.

Janaina

Marcos André Campoy disse...

Meu caro irmão é triste ler isso, pois não é complementação como você disse, e sim manutenção para permanência na plenitude do Espírito, e você deveria pensar nisso, ou você vive sem almoçar e jantar diariamente? Cuidado com o radicalismo e conservadorismo enganoso, temos que ser "reformados sempre reformando"! Por favor reveja seus conceitos e fique na Paz do senhor!

regino disse...

o francisco araujo regrediu,,era mormom agora é maçon,,o povo perece por falta de conhecimento,,,e por falta de entendimento..

regino disse...

face a face com quem ???esse g12 é uma fabrida de maçons...onde nao se adora a DEUS pois é uma sociedade secreta,,no g12 é da mesma forma ,,pois foi fundado pela maçonaria,,,

Fabricia disse...

Fiz o encontro Face a Face com Deus e saí de lá determinada que o que eu quero é Deus! Quero ter esse encontro todos os dias...Deus me permitiu viver momentos maravilhosos na presença Dele. Falhas humanas existem e devem ser corrigidas, mas atire a primeira pedra quem não erra? Estou dizendo isso fora e dentro do Encontro.
Vi milagres acontecendo naquele lugar por que Deus estava lá e permanece na vida daqueles que entenderam a mensagem. Deus nos dá sabedoria para pregar o evangelho. Antes de criticar quero te fazer uma pergunta: QUANTO TEMPO DE ORAÇÃO VOCÊ DEDICOU A DEUS PARA FAZER TAL CRÍTICA? É só para reflexão... Deus te abençoe!!!

Jeferson Arguelho dos Santos disse...

Eu fiz, para conhecimento e reflexão, o G12 e o Face a face com Deus (Encontro com Deus). Posteriormente, foi feita uma reunião do face...para avaliação e, como líder, ex-presidente da Associação Oeste de MT fui convidado. Na ocasião fiz algumas críticas ao Movimento, dentre elas perguntei a vários pastores - "vocês gritam com seus pais para obterem algo?" - unânimes responderam "NÃO". Ao que respondi "como então gritar com Deus." Na ocasião do encontro foi feita uma regressão meio "fajuta" e um dos pastores entrou em crise de choro e convulsiva. Tentaram de tudo para que ele voltasse ao normal não conseguindo, pediram a minha interferência profissional, ao que atendi, conseguindo através de técnicas fazer com que o mesmo voltasse ao normal. Tentaram me derrubar com um toque na testa, estava em oração e pedi a Deus que se fosse de sua vontade eu cairia, porém nada aconteceu. Com relação a oração, a praticam de maneira contrária ao ensinada por nosso Mestre - gritos e mais gritos.(Mateus 6.5-8). Fui batizado aos nove anos de idade e atualmente tenho 60 anos e nesta trajetória, a denominação Batista nunca precisou de modismos para anunciar o evangelho, mas sempre se pautou na pergunta: - O que diz a Bíblia?", a isso seguimos. Não devemos portanto, aceitar qualquer heresia para podermos anunciar o evangelho.

Postar um comentário

Serão sempre bem-vindos comentários sérios, respeitosos e que convidem à reflexão. Se é esse o seu intento considere-se aceito.

  ©A VERDADE LIBERTA, O ERRO CONDENA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo