quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

Jesus e as parábolas




Antes de entrar propriamente no assunto deste post quero adiantar que sou reformado, creio em todas as doutrinas da graça e sou determinista bíblico, não por "escolha pessoal", mas porque as Escrituras afirmam essas verdades categoricamente. Quero me abster, porém, de fazer a prova do alegado, uma vez que o assunto aqui será outro, relativo a algumas passagens bíblicas que sempre causaram em mim algumas dúvidas com relação ao seu significado recôndito. Por outro lado, as doutrinas da graça já foram incansavelmente aqui discutidas, quase dissecadas em vários textos e incontáveis comentários.

Colacionarei os versos bíblicos logo abaixo, para em seguida tecer as considerações pertinentes:

"Ele lhes respondeu: a vós outros vos é dado conhecer os mistérios do reino de Deus; mas, aos de fora, tudo se ensina por meio de parábolas, para que vendo, vejam e não percebam; e, ouvindo, ouçam e não entendam; para que não venham a converter-se e haja perdão para eles" (Marcos 4:11-12). Negritos nossos.

"Por isso lhes falo por parábolas, porque, vendo, não veem; e, ouvindo, não ouvem nem entendem. De sorte que neles se cumprem as profecias de Isaías:
'Ouvireis com os ouvidos e de nenhum modo entendereis; vereis com os olhos e de nenhum modo percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido, de mau grado ouviram com os ouvidos e fecharam os olhos; para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados" (Mateus 13:13-15). Negritos nossos.

Não resta qualquer dúvida que as passagens bíblicas citadas em epígrafe remetem diretamente à eleição e predestinação, reforçando ainda mais as referidas doutrinas, uma vez que Deus elege uns para a salvação e outros para a perdição (Romanos 9:11-23, 8:29-30; Fl 2:13; João 6:44 e 65...), segundo a Sua vontade e beneplácitos soberanos. Assim é que compreendo pela análise dos textos citados e de tantos outros não alinhavados.

Mas o que me intriga de fato é exatamente a parte em negrito: "para que não venham a converter-se e haja perdão para eles. Ou: "para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados". São palavras de Jesus explicando aos discípulos porque falava em parábolas (neste caso, do semeador).

O que me deixa sobremodo intrigado é o conhecimento de que tanto a fé como a graça são dons divinos e de modo algum o homem pode tê-los divorciados da vontade de Deus (Efésios 2:8-9), então por que essa condicionante presente no texto bíblico; qual a necessidade do estratagema consistente no uso das parábolas? Se todos pecaram e carecem da glória de Deus (Romanos 3:23), sabendo que após a queda "não há um justo, um justo sequer, e não há quem busque a Deus" (Romanos 3:10-12), por que Jesus necessitava valer-se das parábolas a fim de "endurecer os não eleitos"?

A única saída que vejo para esta encruzilhada semântica é que Jesus usa um exemplo de fácil compreensão aos discípulos para lhes mostrar que há "aqueles que devem crer, os quais compreenderão as parábolas, e aqueles que 'não devem crer' , e estes continuarão na ignorância, consequentemente não tendo fé, requisito necessário à salvação. E tal entendimento, a meu ver, deve ser compreendido sob as luzes de Atos 13:48:

"Os gentios, ouvindo isto, regozijavam-se e glorificavam a palavra do Senhor, e creram todos os que haviam sido destinados para a vida eterna" (negritos nossos).

A bem da verdade Deus não necessitaria "endurecer" o coração do homem para impedi-lo de crer, bastaria deixá-lo por seus próprios meios e não haveria um único salvo, um único redimido. Por isso entendo que "endurecer" é mesmo sinônimo de "não eleger", segundo a ótica de Romanos 11:7-10:

"Que diremos pois? O que Israel busca, isso não conseguiu; mas a eleição o alcançou; e os mais foram endurecidos, como está escrito:
"Deus lhes deu espírito de entorpecimento, olhos para não ver e ouvidos para não ouvir, até ao dia de hoje. E diz Davi:
Torne-se-lhes a mesa em laço de armadilha, em tropeço e punição;
escureçam-se-lhes os olhos para que não vejam, e fiquem para sempre encurvadas as suas costas."

Bem, esta é uma pequena reflexão íntima ( não pesquisei qualquer fonte que não seja a Bíblia), a ser clarificada por tantos quantos venham aqui comentar e trazer a sua contribuição, reformados ou não. Todavia, conclamo os meus amigos calvinistas a virem ao meu auxílio, caso queiram e possam.







17 comentários:

Jorge Fernandes Isah disse...

Ricardo,

para não parecer especulativo, citarei mais alguns versículos:

"Mas vós não credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito" (Jo 10.26).

"As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem; e dou-lhes a vida eterna, e nunca hão de perecer, e ninguém as arrebatará da minha mão "(Jo 10.27-28).

"Eu rogo por eles; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus" (Jo 17.9).

"Porque todo o que o Pai me dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora" (Jo 6.37).

"Cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, a fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, e se convertam, e eu os cure" (Is 6.10).

"Ninguém conhece o Pai, senão o Filho, e aquele a quem o Filho o quiser revelar" (Mt 11.27).

"Assim como lhe deste poder sobre toda a carne, para que dê a vida eterna a todos quantos lhe deste" (Jo 17.2)

"Manifestei o teu nome aos homens que do mundo me deste; eram teus, e tu mos deste, e guardaram a tua palavra" (Jo 17.6).

"Para que se cumprisse a palavra que tinha dito: Dos que me deste nenhum deles perdi" (Jo 18.9).

"Tenho guardado aqueles que tu me deste, e nenhum deles se perdeu, senão o filho da perdição, para que a Escritura se cumprisse" (Jo 17.12).

Se fosse continuar, teria de transcrever quase toda a Bíblia, e estes são alguns versos, a maioria saídos da boca do nosso Senhor.

Diante das próprias evidências que Deus "plantou" no Evangelho, o que mais aqueles que resistem à eleição e predestinação divinas querem? Que o próprio Senhor desça e lhes fale pessoalmente? Mas isso Ele já fez! Se a Sua palavra não basta, nenhuma outra forma de convencimento pode demovê-los da obstinação em rejeitar aquilo que Deus estabeleceu claramente.

Portanto, o que o verso-chave do seu texto, Mc 4.1-12, diz é exatamente o que ele diz, sem tirar nem pôr: para que os réprobos "vendo, vejam e não percebam; e, ouvindo, ouçam e não entendam; para que não venham a converter-se e haja perdão para eles". Se esta não é uma sentença absoluta de condenação, não sei mais o que é.

Grande abraço!

Cristo o abençoe!

Jorge Fernandes Isah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Fernandes Isah disse...

Ricardo,

por falar em predestinação, e aproveitando a popularidade do seu blog (e a qualidade dos leitores) gostaria de fazer a propaganda do último post do Natan que trata sobre o assunto.

Vi seu comentário lá. E você foi mais rápido do que eu (rsrs).

O link è: http://oliveira-reflexoes-reformadas.blogspot.com/2010/02/predestinacao-constrangedora.html

Depois, manda a conta para o Natan (rsrs). Se ele não pagar, deixa comigo, que não sou pão-duro como ele.

Abraços.

PS: Esqueci-me de parabenizá-lo pelo post, e, sobretudo, pelo amor à verdade, ao tocar em assunto tão "espinhoso", que como o próprio texto diz, nos traz uma alegria indizível por reconhecer nEle o Deus soberano, ao passo que endurece ainda mais o coração rebelde.

Ricardo Mamedes disse...

Jorge,

Ótima a sua contribuição com tantos versículos. Mas sabe exatamente o que não chega a confundir, mas é meio estranho? As frases finais "para que não venham a converter-se e haja perdão para eles"; "para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados".

Não que eu coloque em dúvida as doutrinas da graça, mas é intrigante o fato de "restar implícito" que, caso Deus não fizesse a operação do erro nas mentes dos não eleitos, eles poderiam vir a "se converter". Compreendeu o ponto onde quero chegar?

Quanto ao texto do Natan, é simplesmente primoroso! Fiquei contente em saber que ele também é advogado! Pelo menos somos colegas.

Abraços,

NEle,

Ricardo

Jorge Fernandes Isah disse...

Ricardo,

entendi a sua colocação. E disse mais ou menos isso: os versos são declarações condenatórias, e que elas foram estabelecidas antes da fundação do mundo, para que os réprobos fossem condenados.

Quanto à possibilidade do homem por si só se converter a Deus, sem a ação do Espírito Santo, não vejo a menor chance.

Creio que esses versículos, em especial o base do seu texto, revela-nos o seguinte: ainda que o homem pudesse se converter (hipoteticamente, como uma hipérbole) ainda assim, Deus se encarregaria de cegá-los, ensurdecê-los para que não vissem e não ouvissem, e não entendessem. E desta forma, o Seu eterno decreto se cumprisse infalivelmente.

Então, ainda que o homem dispusesse de mecanismos para compreender o Evangelho, Deus não o deixaria. Mas vejo essa frase do Senhor como uma hipérbole, uma demonstração clara e inexorável da soberania divina, de que nada, ainda que possível, acontece contrário a Sua vontade.

E de que todos que foram chamados à salvação, serão salvos, e todos os que não foram chamados serão condenados, ainda que pudessem ser salvos.

Fica na paz, meu amigo!

Cristo o abençoe!

Esli Soares disse...

Ricardo e Jorge...

MT 13;12 - Pois ao que tem se lhe dará, e terá em abundância; mas, ao que não tem, até o que tem lhe será tirado.

Deus põe a pedra de tropeço... o evangelho é tanto salvação para quem crê, quanto condenação para quem não crê.

Ele faz o homem querer realizar o seu Decreto pela "voluntária" obediência em Cristo ou faz o homem realizar seu Decreto pela "eventualidade" dos acontecimentos. O fato é Deus tem todos os meios para realizar os seus projetos.

Nunca é pela vontade humana.

Ricardo Mamedes disse...

Jorge e Esli,

Concordo com ambos. Na verdade este este texto também é uma tentativa tanto de avançar nas verdades divinas à sombra da visão reformada, quanto conhecer cada vez mais de Deus. Por isso a necessidade de expor essas "dúvidas".

Grande abraço!

Ricardo

Esli Soares disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Esli Soares disse...

Ricardo

A sombra da Foto é da sua mulher? (Risos)

Excelente falou ou mostrou muito... e desenhou a alma do texto com perfeição.

Assim as dúvidas devem ser encaradas, para conhecermos mais ao próprio Deus, como uma motivação ao estudo e meditação.

Acho que esses textos entram naquela exposição do Roberto Vargas sobre a responsabilidade do homem.

No final de tudo Deus quis e efetivou seu querer através até do coração de pedra do homem.

Sabe quem entendeu muito bem essa idéia... J.R.R. Tolken, o autor de o Senhor dos Anéis.
Em sua obra prima, o Simarillion, ele conta a criação do mundo através dos poderes do Iluvatar, o Único, o episódio chama Ainulindalë (A Música dos Ainur). De uma forma fora das Escrituras, afinal ele está falando por alegorias, ele diz que seres poderosos foram comissionados pelo Único a criarem as coisas.

A cada poder, que ele chama de Ainur, foi dado uma temática para desenvolverem, como numa peça orquestral. Um deles o de nome Melkor, desobedeceu e soberbamente fugiu do tema proposto por Iluvatar, quando o Único, chama todos os poderes para juntos apresentarem diante dela a obra completa. Melkor acha que sua soberba surpreendera o Único e nisso será engrandecido mais que os outros por propor algo novo e mais criativo, mas para a surpresa de Melkor, o Único não só sabia de sua desobediência mas a utilizou... A frase é emblemática. É mais, ou menos, assim...

... e tu, Melkor, verá quem mesmo a sua desobediência, servirá para engrandecer-me...

Ele Tolken era católico...

Ou seja, tudo serve para a Gloria de Deus, sejam homens, poderes, situações e até o inferno, tudo é para a glória do Único.

Sem mais... graça e paz do Único.

Ricardo Mamedes disse...

Esli,

(rindo) De certo que a sombra não é da Luciana, pois ela é uma cristã na verdadeira acepção do termo, totalmente redimida pela ação do Espírito Santo, de tal maneira que o seu coração é de carne. Com relação à citação do Tolkien, foi muito boa a analogia, exatamente por demonstrar que Deus jamais poderá ser surpreendido por quem quer que seja. A criação está completamente subordinada ao seu senhorio, assim como a própria vontade e "arbítrio" do homem.

Abraços!

Ricardo

Nádia Braga disse...

A verdade intrigante e maravilhosa da graça é exatamente o fato de que Cristo mostra que definitivamente nada posso eu fazer, realizar, solicitar, querer e exigir , quer venha de mim mesmo ou não, para suprimento das minhas próprias vontades. Um dos maravilhosos mistérios da eleição está no fato de que Deus colocou em mim a "capacidade" de entendimento (dentro daquilo que é para se saber - Rm 16;25)que tudo depende unica e exclusivamente da Sua soberania (no querer e no realizar). Que nada dO QUE É PRA ACONTECER, acontece se não estiver dentro da vontade de Deus (diga-se que sendo para acontecer, entenda-se que já é da própria vontade de Deus o fato de acontecer!). Que todas as coisas acontecem com o propósito do cumprimento da vontade eterna de Deus, decreto este estabelecido desde a fundação do mundo.
O nosso Deus é um Deus pessoal, ele escolheu a mim e a você para que fôssemos a sua raça eleita e sacerdócio real, temamos, então, ainda mais!
Um abraço a todos!P.S: Sou leiga na arte da hermenêutica e da homilética, mas acredito no Deus verdadeiro, aquele que se encarnou como homem e sendo inteiramente Deus se fez inteiramente homem, para que através dele fosse me dado o selo da eleição e salvação eterna.

Ricardo Mamedes disse...

Nádia,

É um prazer recebê-la aqui no meu blog. Concordo plenamente com o seu comentário, de fato a graça nasce de Deus, como também a fé vem dEle (Efésios 2:8-9). Não há qualquer mérito do homem, e eis então o erro crasso cometido pelos defensores do "livre arbítrio". Se é Deus quem efetua em nós tanto o "querer como o realizar" (Fl 2:13) e sem o seu chamado jamais podemos sequer escolhê-Lo (Jo 6:44,65 e 15:16), uma vez que a fé não é de todos (Tt 1:1), resta- nos agradecer ao Soberano por nos ter escolhido através da Sua maravilhosa graça.

Obrigado pela visita e seja sempre bem-vinda!

Em Cristo,

Ricardo

Nádia Braga disse...

Tipo o Esli é meu brother duas vezes (de sangue e de fé). Papai (à luz das Sagradas Letras) nos encaminhou bem, já que somos heranças de Deus pra ele. Minha irmã, de certa forma, nos introduziu na Cultura "Tolkeana". Recomendo a todos! Acho que deveriam substituir o filme da Disney, aquele longa-metragem - acho que é "Fantasia", por um filme desse trecho do livro do Tolkien, o Simarillion. Seria majestoso!

Ricardo Mamedes disse...

Nádia,

Pelo que entendi você é também irmã consanguínea do Esli? Muito bom... Bem, espero que tal como ele, você continue vindo a este espaço de reflexões reformadas.

Esli,

Amigo, quero informá-lo que a minha esposa (Luciana) segue este blog regularmente ( por puro diletantismo e não para cuidar de mim) e está a quebrar a cabeça com a sua pergunta se "a sombra é dela" (rsrsrs). Vamos lá amigo, explique-se! Por acaso ela está pensando que você está a dizer que o seu coração é de pedra...

Abraços!

Ricardo

Esli Soares disse...

Ricardo e Luciana...

Longe de mim pensar tal coisa... (risos), mas se a foto fosse dela quem teria que se explicar seria você.

Quando vi a foto, querida (com todo o respeito) Luciana, eu pensei, é uma mulher, até chamei a minha esposa para ela me dizer se parecia a silhueta feminina.

Então sem nenhuma (risos incontidos) pretensão de afirmar nada acerca de você... perguntei sem pestanejar: na foto, é sua mulher?(kkkkk)

É brincadeira viu Luciana (nome da minha outra irmã, que logo vira comentar nesse blog, com certeza), você deve ter um coração de ouro para agüentar um cara como o Ricardo, que fica horas na frente do computador, rindo sozinho, perde o sono pensando em textos e respostas para colocar aqui, enfim você é uma santa (afinal Deus te elegeu antes da fundação do mundo).

Espero que esse percalço não impeça vocês de me convidem para jantar aí na terça (qualquer terça)... lembrando que são, eu e mais doze.

Até mais... graça e paz

Esli Soares disse...

Ricardo...

Não deixa ela ver, a marcação é cerrada aí?

O pior é que ela tem 2 cúmplices...

Sem mais graça e paz.

Cristiano gomes dos santos disse...

João 11:1 para quem quer veio JESUS? Para os judeus! Ficou claro também em Mat 15:26-27 aí posteriormente foi aberto para o povo gentílico! Concluindo o plano Divino!

Postar um comentário

Serão sempre bem-vindos comentários sérios, respeitosos e que convidem à reflexão. Se é esse o seu intento considere-se aceito.

  ©A VERDADE LIBERTA, O ERRO CONDENA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo