quinta-feira, 10 de junho de 2010

Evolução, teísmo e ateísmo: síntese do pensamento de Francis S. Collins ("A linguagem de Deus") - Parte II



No primeiro post falei sobre um universo que "clama" por um Deus, que "grita" a existência do seu Autor. Toda esta criação proclama o seu Arquiteto. A própria ciência, ainda quando cética com relação ao sobrenatural, com os seus cientistas ateus e agnósticos, não responde às indagações sobre o início de tudo. Há um vácuo quando o homem chega à origem do universo... A centelha da criação reclama a existência de uma vontade, uma inteligência por trás de tudo. O que vem por trás do átomo, do fóton, do bóson de Higgs?

Há um quase preconceito por parte da maioria dos crentes, como se jamais pudéssemos ousar trilhar o caminho da ciência, ou pelo menos do entendimento acerca do mundo natural. A confusão entre o santo e o profano impede que se compreendam os mistérios da criação. Até onde podemos chegar? As leis naturais, os fenômenos, são tabus para aqueles que creem no Invisível? Há, porventura, incompatibilidade entre saber e crer?

O autor deste livro trilha o caminho da ciência e expõe as teorias aceitas sobre evolucionismo exclusivamente à luz do naturalismo; as suas possibilidades e impossibilidades; os vácuos, as certezas. No mesmo "pacote" nos induz a considerarmos outras possibilidades, como o 'design inteligente' e a 'evolução teísta' - esta , a que mais lhe agrada sob o ponto de vista científico e teológico.

Portanto, caros amigos e irmãos, tentarei, na medida do possível , sintetizar o pensamento do autor condensando-o no menor espaço possível e, ao mesmo tempo, convidando-os a uma análise racional dos fatos à sombra do Inexaurível e guardados pela fé.

Evolução sob a ótica exclusivamente naturalista: origem da vida - É a teoria que exclui Deus da criação; o universo é autoexistente; de alguma forma incompreensível ele se fez de uma partícula de energia, gerando uma explosão conhecida por big bang. Calcula-se que esse universo tenha a idade de 14 bilhões de anos pelo critério científico de datação aceito: radioatividade, degradação natural de determinados isótopos químicos proporcionando um meio eficiente e "quase" exato para determinar a idade das várias rochas da terra. A terra, por seu turno - mediante o uso do mesmo critério, tem a idade de 4,5 bilhões de anos. Repentinamente, há alguns milhões de anos surgiram diferentes tipos de 'vida microbiana', organismos unicelulares capazes de armazenar informações, "talvez" pelo uso de DNA, com capacidade de se auto-reproduzir e evoluir em "inúmeros tipos diferentes". Não vamos nos estender muito nesses pormenores, mas o fato é que tais organismos, segundo a ótica naturalista, podiam fazer um intercâmbio rápido de DNA entre as várias células minúsculas existentes, interagindo por completo. A pergunta teimosa: como surgiram esses organismos que se auto-reproduziam? O que prova o naturalismo? Não se sabe. Há apenas "hipóteses", incapazes de "responsabilizar" o próprio ambiente de 'per se' pelo desenvolvimento da vida.

É necessário considerar que, se o naturalismo não apresenta prova contundente sobre a origem da vida, qual a certeza que possuem os seus defensores? Se não se comprova o principal, como crer no acessório? Vale dizer que, se não há demonstração científica quanto à origem da vida, como crer na evolução das espécies pela seleção natural?

Sigamos em frente. Diz o autor: "Parece totalmente improvável que uma molécula como o DNA, com sua estrutura de açucar-fosfato e bases orgânicas dispostas de forma complexa, empilhadas umas sobre as outras e emparelhadas em cada degrau de uma hélice dupla e retorcida, tenha "apenas acontecido" [1]. Tampouco o RNA munido da sua capacidade de "fazer as coisas acontecerem por conta própria" possui igual capacidade de "se copiar". Não há experimentos nesse sentido comprovando essa possibilidade.

Diante da lacuna, Collins faz a seguinte indagação: "Se Deus tivesse a intenção de criar o universo, a fim de chegar a criaturas com as quais pudesse ter uma afinidade, ou seja, seres humanos, e se a complexidade exigida para iniciar o processo da vida estivesse além da capacidade de automontagem da química do universo, não poderia Deus ter interferido para começar o processo?" A resposta dada pelo autor é a seguinte: "A fé que coloca Deus nas lacunas de uma compreensão dos dias de hoje sobre o mundo natural pode levar a uma crise se os avanços na ciência preencherem, posteriormente, tais lacunas" [2].

Os registros fósseis demonstram que "organismos unicelulares" aparecem em sedimentações com 550 milhões de anos, embora se argumentando que nesse mesmo período (cambriano) possam ter aparecido organismos mais sofisticados, posto que surgem também no mesmo período "arranjos de corpos de invertebrados" (explosão do cambriano). Mas também há controvérsias, não existindo provas incisivas. E também aqui não é de bom alvitre que se coloque o "Deus das lacunas" como elemento sobrenatural a originar a explosão da vida com base exclusiva em tais evidências. Outros registros demonstram que a terra permaneceu árida até cerca de 400 milhões de anos atrás, ponto em que "surgiram as plantas, derivadas de formas de vida aquáticas". Apenas 30 milhões de anos depois , os animais também se deslocaram para a terra. Porém, outra lacuna: é que aparecem "poucas formas de transição entre criaturas marinhas e tetrápodes, que habitaram a terra no registro fóssil".

Outro registro fóssil rico é o aparecimento dos dinossauros, que, segundo os mesmos estudos com base no mesmo critério de datação, sugere que eles surgiram há cerca de 230 milhões, dominando a terra, e chegando ao fim repentino e catastrófico há aproximadamente 65 milhões de anos, com a queda de um imenso asteróide onde hoje fica a península de Iucatã, ocasionando terríveis mudanças climáticas pela vasta quantidade de poeira na atmosfera.

Eis que surge Charles Darwin e, a partir de observações nas Ilhas Galápagos entre 1831 e 1836, observou pelos fósseis a "diversidade de formas de vida em ambientes isolados". Em 1859, redigiu e publicou as suas ideias em "A origem das espécies" . O maior argumento do naturalista inglês era que "todas as espécies vivas descendiam de um conjunto pequeno de ancestrais comuns, talvez apenas um", asseverando ainda que a "variação em uma espécie acontecia de modo aleatório e que a sobrevivência ou a extinção de cada organismo dependia de sua habilidade para adaptar-se ao ambiente, ao que deu o nome de "Seleção natural" [3].

Qual a posição, à época da publicação da obra, dos teólogos? "Na verdade , Benjamin Warfield, de Princeton, teólogo protestante notável e conservador, aceitou a evolução como uma teoria do método da providência Divina, embora defendesse a ideia de que a evolução teria um autor sobrenatual" [4].

Um fato interessante deve ser lembrado, se a "Teoria da Evolução" é tão nociva à ideia da existência de Deus, porque Darwin foi enterrado no Mosteiro de Westminster?

Ora, o autor descreve que o próprio Darwin tinha uma preocupação profunda com o efeito de sua teoria sobre a crença religiosa, e, em "A origem das espéicies" , esforçou-se para salientar uma possível interpretação harmoniosa:

"Não vejo nenhum bom motivo para os pontos de vista apresentados neste volume chocarem os sentimentos religiosos de alguém [...] um elogiado escritor e teólogo escreveu-me que "gradualmente aprendeu a ver que é uma concepção tão nobre dos deístas acreditar que ele criou umas poucas formas originais capazes de se autodesenvolver em outras, mais indispensáveis, quanto crer que ele precisava de um ato estimulante de criação para compensar os vazios causados pela ação de suas leis" [5].

Eis que Darwin conclui a obra (A origem das espécies) com o seguinte texto:

"Há uma grandeza nessa visão da vida, com seus vários poderes, tendo ela sido lançada como o sopro da vida originalmente pelo Criador em poucas formas ou uma; e que, enquanto este planeta vinha orbitando de acordo com a lei da gravidade estabelecida, a partir de um início tão simples, inúmeras formas, cada vez mais belas e maravilhosas foram, e continuam, evoluindo" [6].

A própria condição de Darwin era ambígua, pois, se em um determinado momento ele se reconheceu agnóstico, em outro, ele considerou a possibilidade de ser teísta:

"Pela extrema dificuldade, ou uma quase impossibilidade de conceber este universo imenso e maravilhoso, incluindo o homem com sua capacidade de examinar o passado tão distante e o futuro tão longínquo, como resultado de uma oportunidade ou necessidade cegas. Quando medito dessa maneira, sinto-me atraído a observar a Primeira Causa como tendo uma mente inteligente em algum grau análoga a essa dos homens; e mereço ser chamado de teísta" [7].

Concluo dizendo que a fé não necessita de provas da "existência de Deus" para existir ou se manter, pois, conforme cremos, nasce da revelação, mediante chamado do próprio Deus (Efésios 2:8-9; João 6:44, 65 e 15:16). Contudo, nada impede que busquemos nos informar até para que possamos defender a nossa fé - e não a Deus, posto que Ele não necessita ser defendido.

Quando nos acusam, porém, de não possuirmos as respostas baseadas em provas, da existência de Deus, os naturalistas também não as possuem , posto que jamais conseguiram se desvincular do calcanhar de Aquiles: Como tudo se iniciou, de onde viemos e para onde vamos?

No próximo falarei do design inteligente e teísmo evolucionista, se Deus permitir.


Fonte: Francis S. Collins, "A Linguagem de Deus", 6ª edição, Editora Gente, tradução Giorgio Capelli, 2007.

[1] Obra cit. p. 97
[2] Obra cit. p. 99
[3] DARWIN, C. R. , The Origin of Species. New York, Penguin, 1958, p. 456 - Obra cit. p. 103
[4]WAFIELD B. B. "On The Antiquity and the Unit of the Human Race". Princeton Theological Review, v. 9, 1911, p. I-25.
[5] DARWIN, obra cit. p. 452 - ibidem p. 104
[6] DARWIN, obra cit. p. 459 - ibidem p. 105
[7] In MILLER, R. "Finding Darwin's God". New York Harper Collins, 1999, p. 287 - obra cit. p. 105.




12 comentários:

João Carlos disse...

Ricardo...

Um vez comentei no blog da Regina que existem textos que são muito difíceis de serem comentados por várias razões. E este é um deles.

Como acrescentar algo? Neste caso, valho-me apenas de jargões, como fui acusado de fazer por um "zé-mané" dias atrás:

Crer que a origem de toda esta complexidade de formas e espécies espalhadas pelo universo e - especificamente na Terra - é uma obra do acaso, quando um "nada explodiu" e fez tudo existir exige MUITO MAIS FÉ do que a aparente falta de lógica em crer que um Ser Todo Poderoso ordenou com sua Voz o "haja" e tudo passou a existir.

Que fique bem claro: Não tenho conhecimento filosófico e científico suficiente para fazer uma clara exposição de meu ponto de vista, mas ouso expor um ponto de vista que - em um comentário feito num determinado texto que não lembro exatamente onde li, gerou uma polêmica desgraçada: NÃO EXISTE ATEU 100% DESCRENTE.

Para se afirmar que Deus não existe com certeza absoluta, aquele que isso afirma no mínimo deve ter conhecimento de todas as possibilidades, de todos os fatos, deve ter estudado e conseguido provar por "a + b" que o Todo Poderoso não passa de um comprimido de placebo para amenizar a fraqueza moral, intelectual e espiritual de um ser humano.

Ora, se este (s) indivíduo (s) diz ter esta sapiência toda, ele clama para si um atributo divino: A ONISCIÊNCIA.

Desta forma, o caboclo que diz deter conhecimento suficiente para negar a existência de Deus se torna seu próprio deus, o que anula seu ateísmo, pois ele tudo sabe...

Como diria o humorista: "é muito difíciiii..."

João Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Carlos disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
João Carlos disse...

Isso me fez lembrar de um livro que li muitos anos atrás, creio que o nome dele era "A Invasão Secreta", que falava sobre o trabalho evangelístico nos países comunistas, na época da Cortina de Ferro.

Em um determinado momento, nosso amigo cristão está discutindo com um comunista que se eu não me engano estava vigiando-o (ele estava preso) e pergunta:

"Ora, se vocês crêem que Deus não existe, por qual razão vocês gastam tanto dinheiro em propaganda contra Ele"?

O comunista responde:

"E quem disse que acreditamos que Ele não existe? Nós apenas não gostamos e não queremos nada com Ele"...

Um abraço meu brother!

JC

P.S: Apaguei duas vezes o comentário por conta de um bendito "não" mal colocado... rsrs

André disse...

Caro Ricardo, gostei muito da segunda parte de sua síntese. Gostaria de fazer uns poucos comentários pontuais sobre seu conteúdo.

1. O desenho inicial me fez rir muito. Lembrei-me de algo que você disse em comentário ao post anterior: a teoria de que a criação do homem constitiu em Deus colocar uma alma humana num par de primatas que vieram a existir por evolução. Parece-me que esse é o ponto de vista predominante entre os intelectuais católicos. E é natural que seja assim, pois esse ponto de vista se encaixa bem na antropologia tomista.

2. Não sei se é verdade que haja uma verdadeira repulsa à investigação científica entre os crentes. Eu vejo mais problema na direção oposta: sobre essa questão das origens, há muitos crentes valorizando a ciência experimental mais do que ela merece, ansiosos por chegar a conclusões teológicas que não firam em nada as sensibilidades da comunidade científica. Collins parece um bom exemplo disso, mas há outros, mais brandos.

3. Collins admite que a questão da origem da vida não foi solucionada, e isso já o torna mais honesto que grande parte dos evolucionistas que se dirigem ao grande público, sobretudo aqui no Brasil. Seu posicionamento sobre a questão deixa claro que suas razões para crer no que crê não têm nada de científicas, baseando-se tão somente no que ele espera que será descoberto algum dia. Allan Kardec não fez melhor. Isso é fé, no sentido pejorativo.

4. Darwin não era honesto o suficiente para que possamos confiar em suas declarações públicas sobre religião. Há indícios de que suas declarações pró-teísmo tinham o único propósito de facilitar a vida de Collins, buscando angariar o apoio dos cristãos para destruir o "dogma das criações separadas", como ele mesmo o chamava. De qualquer modo, de fato Darwin não era o típico antirreligioso militante e antieclesiástico raivoso. Quanto a isso, Dawkins é menos discípulo de Darwin que de seu grande amigo T. H. Huxley, que juntou as teorias de Darwin a incontáveis calúnias em seu combate à fé cristã.

Esses são os pontos que mais me chamaram a atenção. Volto a dizer que seu resumo está muito bom. Aguardo a continuação.

Abraços!

Ricardo Mamedes disse...

Caro João,

Assino embaixo do seu comentário. Que prova eles têm da não-existência de Deus?

Sabe de uma coisa, penso que para provar isso, somente se provassem a existência de um outro "algo" capaz de criar um universo tão grandioso. E também, criaturas com a capacidade do ser humano; uma natureza pujante e perfeita, que se complementa, tanto na flaura como na flora.

Dizer que o universo é autoexistente? Tenha paciência...! Para surgir tanto do nada, somente existindo uma força suprema com vontade e personalidade por trás de tudo. E essa força, conforme sabemos, é Deus, Todo-Poderoso.

Obrigado pela visita e pelo comentário.

Grande abraço!

Ricardo.

Regina Farias disse...

Ricardo,

Pra ser honesta, eu não consigo nunca entender essas colocações desses "especialistas" e apenas porque nunca levam a nada. Pra mim não é muito difícil, não. Basta fazer uma trajetória histórica/literária... Mas de relance, por favor rss

Por isso que mesmo tendo sido tentada por uma vaidosa veia intelectualóide rss chegando até a preencher formulário, não fiz seminário teológico... Isso quando me converti e queria provar de tudo para compensar o "tempo perdido", vc sabe rss

Enfim... Você já me conhece e sabe que eu não curto muito tais debates, embora até leia com certa simpatia alguns textos afins. (Como os seus, por exemplo, vc sabe tb) e confesso que muitos outros leio aproveitando para exercitar a velha técnica da leitura dinâmica (risos)

Porém - e inevitavelmente- lá vem o meu velho achismo...
Eu acho que muito mais do que preocupação com crença religiosa, os Darwins e teólogos da vida tiveram - e têm - mesmo é uma baita duma crise existencial, pois quanto mais sabem (intelectualmente) mais se angustiam e anseiam saber daí chega num determinado ponto que não dá. Seria um quase preconceito às avessas como o existente no gueto crental e que vc cita muito bem.

É por tudo isso e mais alguma coisa que eu considero super maçante ler esses caras, por perceber sempre não levar a lugar algum. E o que sempre me passa é que fica aquela discussão que dá a forte impressão ser de menino, onde um diz pra deixar Deus ser simplesmente bom e outro diz pra deixá-Lo ser simplesmente Deus.

Já euzinha vou fazer sempre assim: vou "deixar" Deus ser bom. Isso me basta. :)

Meu carinho,

R.

Regina Farias disse...

Depois que envio e vou ler... rss

É que no primeiro parágrafo pode parecer meio contraditório o que eu digo mas é que eu não entendo certos posicionamentos embora não seja nada difícil entender "por quê e a quê levam",(ou "não levam a nada" rss) entende?

Abs...

R.

LUCIANE disse...

Ótimo texto! Como o moço João Carlos comentou, realmente não há o que se acrescentar.

Creio que tudo que poucos cientistas criacionistas honestos têm feito para expor a verdade das digitais do Criador em sua criação, são de grande proveito para edificar (e até aumentar e justificar com razão e lógica humana) a nossa fé. Estão de parabéns! A cada dia, evidências e mais evidências da existência de Deus e das verdades bíblicas são descobertas e divulgadas na área científica para a glória de Deus, trazendo, assim, a tona a farsa ateísta e suas falácias!

"Os ateus expressão raiva a Deus, que, na opinião deles, nem existe..." (C.S Lewis)


Luciane Lee P. C.

Ricardo Mamedes disse...

Luciane,

De fato, os ateus são mesmo uma farsa, assim como as suas teorias estúpidas. Acreditar que toda a complexidade e perfeição do universo tenha vindo da nada, e de um "movimento" aleatório, demanda muita burrice mesmo.

Racionalmente já é fácil depreender que todas as coisas criadas demandam um criador, assim, se há uma cadeira, antes houve o seu construtor. Assim também têm de ser com o universo: a sua existência presume, racionalmente que seja, o seu Criador, ou seu Construtor. Nós cremos guiados pela fé, mesmo sem vê-LO.

Grande abraço e obrigado pela visita e comentário.

Ricardo.

Henrique Ramires disse...

Muito bom seu blog mano, estou escrevendo um também onde eu tento explicar a possibilidade de um Deus de forma racional, vou começar a usar seu blog como ajuda eu acho

Postar um comentário

Serão sempre bem-vindos comentários sérios, respeitosos e que convidem à reflexão. Se é esse o seu intento considere-se aceito.

  ©A VERDADE LIBERTA, O ERRO CONDENA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo