terça-feira, 10 de novembro de 2009

Sobre lobos vorazes (...) - e irmãos

Nos meus dois posts anteriores eu condeno a atitude liberal e pós-moderna da comunidade evangélica em geral e da minha em particular, pelo foco demasiado no homem - a figura do "profeta" - ficando Deus e seu filho unigênito relegados a segundo plano.

Quero mais uma vez reafirmar as minhas assertivas anteriores, porém, cristalizando a certeza de que amo a minha igreja, os meus irmãos e o pastor - o que motiva a minha imensa preocupação com os rumos que estão tomando, ao substituirem a suficiência de Deus e do Evangelho de Cristo pela experiência humana baseada em sinais, prodígios e doutrinas de homens.

Se há algo que marcou de fato a reforma foi a "Declaração de Cambridge", afirmando a inerrância das Escrituras como fonte única da revelação divina escrita, culminando em que a obra do Espírito Santo na experiência pessoal não pode ser desvinculada dela (Sola scriptura); a suficiência de Cristo no processo da salvação pela justificação (Solos Christus); a suficiência da graça como causa eficaz da salvação em Cristo, excluindo a capacidade humana nesse processo, a teologia da autoestima, prosperidade, etc (Sola gratia); a suficiência da fé em cristo no processo salvífico, mediante a graça (sola fide); e que toda a glória deve ser dada exclusivamente a Deus, o autor da nossa salvação (Soli deo gloria).

A declaração de fé da denominação Batista (histórica) é baseada nos princípios em epígrafe.

Por tais razões, é inadmissível a aceitação de atitudes ou experiências que contrariem esses princípios, como os atos proféticos, profecias humanas, teologia da autoestima e autoajuda; da prosperidade, cair na unção, etc, uma vez que a figura de Cristo fica relegada a segundo plano e a glória que somente deve ser oferecida a Deus é desviada.

Sendo suficiente a Escritura, desnecessário que busquemos profecias humanas. A palavra de Deus é inerrante e imutável, tem origem conhecida (Deus), enquanto que as referidas profecias provém de homens, e cuja origem ninguém pode afirmar (1 Cor 13:9-10). Logo, repito, a experiência humana jamais poderá suplantar a inerrância da escritura, normalmente conduzindo a terríveis erros.

O Evangelho da prosperidade e da autoestima, com a exaltação do "eu" anulam a figura de Cristo, o seu sacrifício, assim como fazem tombar a graça. É o homem se bastando, nesse diapasão, tanto Deus como Cristo não são mais necessários. Estas atitudes se caracterizam em grave pecado.

A nefasta figura do "cair na unção" ofende todos os princípios acima alinhavados: não tem fundo escriturístico, promete santificação imediata, anula a figura de Cristo e confere glória exclusivamente ao homem. Paul Gowdy, um dos que introduziram essa nefasta "unção" na Igreja de Toronto veio a público relatar que é "maldição, engano satânico, com força destrutiva contra a Igreja". Portanto, cuidado!

Não há libertação senão por intermédio de Cristo, mediante a graça. Não há homem que faça outro homem se achegar a Deus, posto que somente Ele tem tal poder (Rm 3:10-18, 8:30, 9:11-23; Efésios 2:8-9; Filipenses 2:13). A batalha espiritual que pregam por aí é apenas falácia, uma vez que a libertação se dá exclusivamente por intermédio de Cristo, em consequência da fé, mediante o chamado de Deus.

Toda e qualquer unção prometida por homem é mentirosa. A Bíblia não comporta essa possibilidade, não prevê essa condição. E a única unção verdadeira é a que "vem do Santo" (1 Jo 2:20) não tendo necessidade que ninguém "vos ensine sobre ela" (1 Jo 2:27).

O apóstolo Paulo nos adverte que as heresias virão sobre a Igreja de Cristo, asseverando que "Até importa que haja entre vós facções, para que os aprovados se tornem manifestos" (1 Cor 11:19). Aos crentes cabe analisar a Palavra e reter somente o que é bom, descartando o que não provém do Evangelho, como os atos proféticos, profecias humanas, teologia da prosperidade, autoestima, cair na unção, etc.

Concluo dizendo que apenas e tão somente cuido para defender a sã doutrina bíblica ( 2 Jo 1:10-11; Gal 1:8-9; 1 Tm 4:16; 2 Tm 4:3; Tt 1:19) para que os irmãos, os quais amo, não caiam no erro, afastando-se de Deus (Efésios 4:14).

A palavra ainda nos adverte que surgirão falsos mestres e falsos profetas com sinais e prodígios de mentira (Mateus 24:24; 2 Pedro 2:1-3).

A nós, como crentes, cabe vigiar, orar , crer em Cristo que nos justificou e na graça salvadora, não dividindo a glória de Deus com homens, ainda quando denominados "profetas" , e mesmo que prometam benesses, unções e poder.

Sola Scriptura! Solos Christus! Sola gratia! Sola fide! Soli deo gloria!

3 comentários:

Regina Farias disse...

Oi, Ricardo
Observe que existe um oba-oba geral disseminado feito praga no meio evangélico acerca dessas práticas estranhas, como se reinventando a macumba em outros terreiros.
Eu tenho nojo disso.
E como todo mundo tem sua história, vou te falar de algumas coisas tentando ser breve.
Nascida em lar católico e distante dele há mais de vinte anos, chegou uma hora em q fiquei numa espécie de limbo, onde de um lado assistia grande parte de minha familia migrar pra uma CCB que me mostrava um Deus brigão, turrão, vingativo e que "dizia" q se eu não fosse pra lá não tinha céu pra mim e que eu ia de qualquer jeito, no amor ou na dor (usavam esse jargão para me impressionar e minha familia -inteligente, culta, com formação acadêmica- o adotou com toda naturalidade sem estranhar, sem questionar, o que me deixou intrigada mas silenciosa por muito tempo).
E de outro lado a igreja católica da minha infância que me apontava um Deus distante e frio, mas até que dessa eu já estava curada rsss
O certo é q eu me sentia ora aliviada por não ceder a nenhum dos dois, ora entristecida porque depois de algum tempo eu queria conhecer o Jesus que meus filhos mais velhos conheceram na adolescência, mas a resistência diante de tanto terrorismo era tão grande que mesmo assistindo no dia a dia os "benefícios" da conversão deles, tinha medo de correr o risco e passar pelo corredor da morte e por terrível julgamento em meio a um turbilhão de acusações e ventanias e terremotos e furacões. Não estou exagerando.
E o maravilhoso é conhecer o Jesus que se aproxima de mansinho em vento leve, em um CICIO TRANQUILO E SUAVE...
E como Ele é perfeito, maravilhoso também foi conhecer a Jesus fora dos muros da religião e embora respeite alguns representantes eclesiásticos e frequente vez por outra a IEC aqui em Recife, não estou aprisionada, pelo contrário estou liberta pelo sangue de Cristo de todas essa algemas doentias que fascinam e cativam as mentes por aí.
Vamos orar! E vigiar!!!

laudiceia disse...

Ricardo, Parabéns por defender o verdadeiro evangelho de Cristo.

A esse respeito temos muito o que dizer,
Mas de difícil interpretação,
Porque vos tornastes tardios em ouvir.
Com efeito, devendo já ser mestres,
Por causa do tempo decorrido,
AINDA NECESSITAIS DE QUE SE VOS TORNE A ENSINAR
OS PRINCÍPIOS ELEMENTARES DOS ORÁCULOS DE DEUS,
E vos haveis feito tais que NECESSITAIS DE LEITE,
E NÃO DE ALIMENTO SÓLIDO.
Ora, todo aquele que ainda se alimenta de leite
Não está experimentado na PALAVRA DA JUSTIÇA,
PORQUE É CRIANÇA.
Mas o alimento sólido é para os adultos,
Para aqueles que, pela prática,
Têm as faculdades exercitadas para discernir
Tanto o bem como o mal”
(Hb 5:11-14)

Vamos orar e vigiar para não sermos engolidos pelas heresias.
DEUS O ABENÇOE SEMPRE.

Pastor Valdomiro disse...

Boa noite irmão Ricardo, lí sua matéria sobre "LOBOS VORAZES" diria a EU falsos pregadores, espertalhões citando a Bíblia para esconder as intençoes maléficas e danosas a a igreja local, eu particularmente os chamos de "falsos pregadores" CUIDADO...COMBATA...E VÁ A SUA IGREJA DIZER ESTAS VERDADES, Deus está te usando para confrontar o próprio diabo. se revista de Efesios 6.10 - 20 e os enfrente. Percebo que o irmão está cumprindo Atos 18.9 - Leia. Abraços Fraternos.

Postar um comentário

Serão sempre bem-vindos comentários sérios, respeitosos e que convidem à reflexão. Se é esse o seu intento considere-se aceito.

  ©A VERDADE LIBERTA, O ERRO CONDENA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo