domingo, 5 de setembro de 2010

Evangelho de Cristo: permanência e salvação




Ainda ontem conversando com um amigo, via gtalk, lhe confabulei que estou meio preguiçoso ultimamente. Meu blog está sem novos textos, às vezes não respondo a todos que comentam por aqui (e nem são tantos). Um certo desânimo que nos acomete às vezes, embora estando tudo em ordem, as dificuldades normais do cotidiano... é um sei lá o quê.

Eis que hoje na escola dominical, depois de ouvir uma ótima exposição de um irmão, firmei reflexão neste texto bíblico:

Prega a palavra, insta, quer seja oportuno , quer não, corrige, repreende, exorta com toda a longanimidade e doutrina (2 Timóteo 4.2).

Essa segunda Carta a Timóteo tem principalmente a característica de exortar os crentes da igreja primitiva, uma vez que um grande número de heresias já acompanhava e perseguia o cristianismo nascente. Muitos, já naquela época, tentavam mudar os seus pilares, firmados na cruz de Cristo, Rocha sólida, para oferecer novos meios de salvação, que não a graça, ou a fé dada diretamente aos santos por Deus. A luta do apóstolo Paulo é constante tanto na pregação como na exortação.

Interessante observar que os versos seguintes do mesmo capítulo citado em epígrafe , da Segunda Carta do apóstolo Paulo a Timóteo, assim assevera, corroborando o que acabei de afirmar:

"Pois haverá tempo em que não suportarão a sã doutrina ; pelo contrário, cercar-se-ão de mestres segundo as suas próprias cobiças, como que sentindo coceira nos ouvidos; e se recusarão a dar ouvidos à verdade, entregando-se às fábulas" (vs 3, 4).

Temos a oferta de um evangelho depauperado, trôpego, cambaleante. Oferecem-se tudo aos "frequentadores" de igrejas, desde a melhor unção até a maior bênção financeira. Cristo crucificado e ressurreto, morto vicariamente pelos pecados de muitos não tem mais lugar na pregação. Os jargões tomaram o lugar da letra viva, os "mantras" repetidos à exaustão é que convencem os "usuários" de tal evangelho.

Os vendedores de ilusões, defraudadores da Palavra, se acotovelam nos púlpitos em busca de novos seguidores incautos, oferecendo-lhes, não a Bíblia, mas os "passos" necessários para se "chegar lá". Esse "lá" é o lugar da vitória, é onde você encontrará todas as respostas, é o "abracadabra" . "Lá", todos os seus problemas terminarão (principalmente financeiros), todos os sofrimentos terão fim, pois a bênção te espera, bastando que você "se aproprie dela".

Os "pregadores mercantilistas profissionais" se valem de todas as técnicas de autoajuda, insuflando nos "espectadores" (ou telespectadores) a grande capacidade interior que move cada um, a "força" que os impele para a frente e que é "intrínseca" ao ser humano. Vicejam nas "reuniões" os Augustos Curys, as palavras de ordem, as repetições, as promessas.

O grande mote é a pregação enfática: os gritos, os sapateios, pulos, gemidos, rosnados. Muitos desses "luminares" chegam a espumar os cantos da boca - o que me faz lembrar os lobos vorazes, devoradores. Vez ou outra citam os seus mestres, e um dos mais lembrados é o Marco Feliciano. Eu mesmo já tive o desprazer de ser instado a ouvir um CD do "grande pregador", e embora tendo estômago de avestruz, não me atrevi a tanto.

A pregação expositiva não tem lugar nesse meio evangélico/gospel. Buscam-se sinais e prodígios, curas e milagres. Novas revelações se reproduzem: é uma palavra para cada "usuário".

É terminantemente vedado aos emergentes evangélicos discutir com o "grande líder". Instar, exortar, questionar, tudo proibido! Os robôs, pequenos autômatos, seguem os seus gurus, semideuses, até se precipitarem no abismo. Não há palavra , ensinamento que os faça parar.

Outrora, a não tanto tempo eu afirmei que essa "fé" firmada em experiências emocionais as mais diversas, mas distantes do Logos eterno, do Verbo, do Cristo, não se mantém. Aliás, não é nem mesmo fé. O que eu espero é o que está em Cristo, e o que está nEle está além dos meus olhos, muito próximo do coração. E é racional, inteligível; é compreensível, bem ao contrário do que "pregam" os vendedores de ilusões. Essa fé é perceptível, mas intangível (Hebreus 11), não se materializa em coisas, tampouco em palavreado enfatuado, ou em performances.

Homens que pregam o que não fazem, fazedores de prosélitos vazios (Mateus 23.15) , que nem entram para o reino e também não deixam entrar aqueles que estavam entrando (Mateus 23.13); estes, são os fariseus modernos a que faz referência um hino.

Há momentos em que é triste reconhecer que palavras ditas e escritas previamente se materializaram... palavras proféticas, mas que não foram proferidas com o usual prefixo "Deus me mandou dizer..."

Desviar da Palavra de Deus e embrenhar por experiências humanas como sendo a verdade, traz terríveis consequências, disse eu outrora. Melhor é crescer em graça, diminuir para que cresça Cristo. Necessário é pregar essa Palavra da verdade, ainda que poucas sementes germinem, porém, aquelas que germinarem serão árvores fortes, resistentes; árvores que suportarão grandes intempéries, terríveis tormentas. Aquelas outras, serão apenas sementes que germinam mas logo morrem.

O pior de todos os equívocos é se cortar "árvores frondosas" , ao mesmo tempo em que se semeia joio.

Voltando ao início desta reflexão, retorno à Segunda Carta a Timóteo, capítulo 4, versos 14-17:

"Tu porém, permanece naquilo que aprendeste e de que foste inteirado, sabendo de quem o aprendeste e que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação em Cristo Jesus. Toda a escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda a boa obra".

É nessa Escritura que eu quero me manter firme, imune a todo e qualquer movimento humano deturpado, travestido de falsa piedade cristã. A seara é grande, cabendo a nós exclusivamente anunciarmos o Evangelho da salvação sem exibicionismos, sem grandes performances, sem vozerio e sem prodígios ( principalmente de mentira). Além disto, cabe somente a Deus efetuar o "querer e o realizar segundo a sua boa vontade" (Filipenses 2.13). Não há atalhos, somente há um caminho. Atalhos, quando há, levam à morte.

Toda honra e toda glória ao Criador, Senhor de tudo e salvador daqueles que o glorificam em espírito e em verdade, de todo o coração e não apenas "honrando-O com os lábios".



6 comentários:

Esli Soares disse...

Ricardo,

Texto oportuno... Deus abeçõe vc mais e mais, e q continue a te dar a clareza com a qual vc tem exposto a Verdade que liberda do erro que condena!

Por hora é só, mas lerei melhor e comentarei mais...

Esli Soares

Regina Farias disse...

Pois é, meu amigo!
O "sei lá o quê" que desanima é tudo isso que você relata... E mais alguma coisa!
Durma com uma bronca dessas!
E pelo que eu vejo por aí a coisa é tão sinistra que existe "uma palavra" específica pra mim, porém pra aquele outro lá, por ele ser mais bonitinho e piedosinho Deus dá uma maneirada, relativiza e tal...
Uma palavra para cada usuário! Isso sempre me deixou intrigada, desde quando eu acompanhava (à margem) familiares e amigos de uma denominação acolá (pentecostal, tradicional, fundamentalista, que aprisionou Deus lá para sempre :P) mestra em fazer "profecias" pessoais.
E ainda havia quem dissesse: "essa palavra de hoje foi pra fulana", enquanto eu olhava meio com cara de parede. Às vezes a fulana nem estava presente... Cansei de ouvir também: vou pra igreja "ouvir a palavra". Nada contra a igreja, espaço físico, lugar de ajuntamento pra quem quer adorar, suplicar, louvar ao Todo-Poderoso, não é essa a questão. É que as pessoas o fazem como se Deus estivesse somente lá, como se Ele só nos falasse em determinado lugar, quando na verdade somos nós que estamos limitando os lugares onde Ele pode estar, o que Ele diz e pra quem! E o mais grave: ir pra ouvir a palavra, ou seja, algo estritamente egoista e pessoal, nada parecido com querer louvar, agradecer... Isso é que me intriga mais!
Nunca entendi nem jamais vou entender isso, nem quero! Aliás, recuso-me, terminantemente! Pois, parafraseando-o, coisas assim não passam de atalhos que levam à morte em forma de neuroses, de enganos, de vícios, idolatrias religiosas, etc, etc, etc e jamais à Verdade que liberta.
Excelente texto! Pra se ler e reler...
Abs,
R.

Jorge Fernandes Isah disse...

Ricardo,

a luta contra o engano e a mentira continua, numa verdadeira "guerra pela Verdade" [boa oportunidade de promover um dos meus blogs... rsrs]. Como o Senhor Jesus disse, eles não podem crer na verdade porque seus olhos estão fechados e seus ouvidos tapados, para que não entendam e compreendam, e possam ser salvos.

Sabe, é uma guerra inglória, pois veremos muitos dos que gostamos e amando caminhando decidida e loucamente para o inferno, sem que se apercebam, mas ao chegar lá... fariam como o rico da parábola de Lázaro, mas seria tarde do mesmo jeito; e como ele, se o arrependimento matasse...

Enfim, continue meu irmão a proclamar a Verdade, e a orar pelos perdidos, para que Deus se compadeça deles e os salve.

Grande abraço!

Cristo o abençoe!

Sandro disse...

Olá, graça e paz, sempre!

Passei por aqui para conhecer seu blog.
Estou seguindo.
Ficaria muito feliz em me seguir lá.

Abraço em Cristo,

Sandro
http://oreinoemnos.blogspot.com/

Marcos Sampaio disse...

Olá,

Estou conhecendo hoje esse espaço! Muito bom mesmo!

Quero aproveitar para promover o meu blog pessoal;
http://ideiasprotestantes.blogspot.com

Sem dispensar a seriedade na defesa do Evangelho, e, sobretudo, longe de se adaptar aos modismos e novidades do Cristianismo de entretenimento, o leitor aqui obterá uma mistura bem balanceada de teologia, cultura, denúncia, cidadania, religião e artigos devocionais. No blog IdéiasProtestantes, você fica sabendo da última novidade do absurdário gospel, mas também não falta material para edificação e reflexões sobre a vida cristã.

Um forte abraço,
Marcos Sampaio

MINISTÉRIO BATISTA BERÉIA disse...

Graça e paz Ricardo,
eu estava conversando com um diácono de nossa igreja esses dias atrás e ele estava me falando de uma determinada igreja de nossa cidade que tem o famoso culto da vitória, que é conhecido aqui como “Quarta-feira da Vitória”. Ele estava conversando com um conhecido dele que costuma ir nessa igreja, só que essa pessoa não é convertida. Esse diácono então lhe perguntou se ele costumava ir aos domingos também, para sua surpresa o conhecido dele lhe falou que não, pois domingo é dia de culto e ele não quer culto, ele quer a sua vitória. Qual a conclusão que se chega nisso, pelo menos foi essa conclusão que cheguei, essa igreja as quartas-feiras só prega prosperidade e não o arrependimento, fala de cura do corpo, mas não fala da cura da alma, fala de bênção, mas não oferece o abençoador; como diz o ditado: "oferecem o peixe, mas não ensinam a pescar". Isso é uma febre geral que não traz resultado para o Reino, mas faz um grande movimento sem vida com Deus.
Que o Senhor nos ajude a permanecermos fiéis.
Fique na Paz!
Pr. Silas

Postar um comentário

Serão sempre bem-vindos comentários sérios, respeitosos e que convidem à reflexão. Se é esse o seu intento considere-se aceito.

  ©A VERDADE LIBERTA, O ERRO CONDENA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo